domingo, 8 de abril de 2018

Jogador Nº 1 | Crítica


          E se um escritor se baseasse nas obras cinematográficas dos anos 80 para escrever uma obra literária e depois um diretor/produtor cinematográfico se baseasse nesse livro para criar um filme? E se o diretor fosse Steven Spielberg? Claro, poderia ser uma péssima ideia com um diretor velho e desatualizado tentando colocar algo datado para a juventude conectada de hoje. Podia ser um grande erro, como a retomada da série Alien, ou outras retomadas nostálgicas perdidas que temos visto. Mas não é nada disso que vemos nesse filme. Vemos algo atual, para a juventude de hoje, algo com conteúdo sem esquecer a diversão e com mensagem sem ser piegas (ridiculamente sentimental). Mas e se mesmo com essas características o diretor arriscasse colocar centenas (milhares?) de referências a séries dos anos 80 que nenhum jovem tenha idade para ter visto/acompanhado? Funcionaria? SIM! Funciona, e lá estão personagens muito atuais como "posers", grupos de gamers, bullying e discussões atuais mergulhadas em uma trama simples e divertida. O ritmo e a pegada do longa lembra os da trilogia já clássica "De Volta para o Futuro", e sim, a DeLorean está lá, recolhendo moedas em método assemelhado ao jogo Sonic com seus anéis. Nesta crítica resolvi não colocar spoilers, pois não há como fazer justiça às cenas. Confesso que fui ver o filme na expectativa de que, no máximo, ia ver algo tão bom quanto a ótima série Stranger Things e estava de nariz torcido para o Mestre Spielberg, pois achei que ele carregaria na nostalgia e não traria algo jovem. Mas estava redondamente enganado e vi o Spielberg e sua equipe de roteiristas darem um show.


Um mundo acessado por Realidade Virtual
          Sobre o que é o filme? Bem, a humanidade enfrenta o resultado de poluição, desmatamento e pouco caso irresponsável com o ambiente em um futuro distópico. Vivendo em verdadeiras favelas feitas com trailers, a sociedade foge da realidade para um mundo/jogo em realidade virtual chamado OASIS. E a aventura começa quando o controle deste mundo virtual é colocado em jogo por meio de desafios (quests). Assim, qualquer um que tiver sucesso em vencer esses desafios ganha o controle do OASIS e dos milhões que ele arrecada. É um grande jogo virtual com um prêmio bem real e todos no mundo estão interessados, de gamers ocasionais até companhias de tecnologia!


Moradias semelhantes a favelas
          Algo interessante e uma referência (intencional?) é que é o filme mais repleto de Easter Eggs (ovos de Páscoa) que eu já vi e foi lançado justo na Páscoa.


Muitos Easter Eggs!
          Não li o livro, o que me permitiu ter uma visão livre do filme. Ao sair do cinema já me comprometi a lê-lo, encantado que fiquei com o universo do filme. Sabe quando você termina um Game e fica vendo os créditos passarem, feliz por ter alcançado o objetivo, mas decepcionado por não seguir com o jogo? Saudoso por não se relacionar mais com aqueles fantásticos personagens? Esta foi a sensação ao tirar meus óculos 3D no cinema. Fora que eu vivi os anos 80, o que me permite dizer que o filme é um buraco de minhoca que liga o hoje (essa juventude, com seus sonhos e dificuldades) com o ontem (aquela juventude, especialmente nós geeks e nerds) de forma respeitosa e fraterna.

E muito mais Easter Eggs!
          O filme trata dos avatares que possuímos nas redes, na realidade que nem sempre eles espelham nossa aparência, gênero, idade, tamanho ou qualquer outra característica. Trata do tempo on-line cada vez se apropriando de mais e mais tempo da vida real. Trata de uma equipe, de amigos e de como isso pode funcionar, apesar das críticas atuais. E principalmente, mostra para quem não trava contato com essa "realidade" o porquê de ser tão sedutora essa experiência. Está tudo lá, correndo do Donkey Kong, saltando com o Match 5 sobre o batmóvel, desviando do Gigante de Ferro e lutando ao lado de Gundam. Assistam o filme! Se não gostarem venham aqui e deixem seu comentário!!!

          Nota de 1 a 5? Esse é um filme nota 5.

Um comentário:

  1. Vamos lá gostei do filme você já falou das referencias. Oque eu gostei no filme foi o clima de se unir para jogar, não tinha o politicamente correto dos filmes atuais, foi a homenagem aos nerds que não gostavam do mundo real e construíram um novo um em que eles podiam vencer bem estilo anos 80.

    ResponderExcluir